Entrevistas "Mulheres 3 em 1"

Da maternidade, uma nova carreira: doula e consultora do sono infantil | Conheça a história da Cacau Prado.

Olá Mulheres 3 em 1!  Nossa entrevista de hoje é com uma mulher que tem a cara da maternidade! A Cacau amou tanto ser mãe que mudou de carreira para ser mais presente na vida dos filhos. Hoje se sente plena exercendo sua tripla jornada e de quebra ainda ajuda muitas mamães através do seu trabalho nas redes sociais.

Carolina Prado é casada, mãe do Enzo de 6 anos e da Nina de 4 . Ela atuou na área de educação bilíngue por 10 anos e se reinventou depois do nascimento dos filhos. Hoje ela é empresária, atua como consultora do sono infantil e doula.

Cacau , antes de ser mãe, como a maioria das mulheres, você devia imaginar a maternidade e a vida de mãe, não é? E a realidade, foi muito diferente do que imaginava?

– Sim, em alguns aspectos eu romantizava a maternidade porque era realmente um sonho meu, mas em outros eu sabia e tinha noção de que não seria tão fácil. Talvez por eu ter trabalhado tantos anos com educação, algumas situações foram mais leves quando me tornei mãe. Com certeza a dependência emocional e o coração fora do nosso peito que nasce com um filho. Isso me surpreendeu e assustou. Lembro-me de chorar a noite de tanto que eu amava o Enzo, do medo que eu tinha de qualquer coisa de ruim acontecer.

Comecei a perceber que esse medo me freava de viver tudo que Deus havia me confiado. Ele tinha me presenteado com o Enzo justamente por me escolher como mãe dele e saber que eu daria conta sim. E por um outro lado me vi uma mulher muito mais guerreira, forte com a certeza de que eu poderia ser quem eu quisesse. Parir nos faz mais capazes eu acredito, ganhamos uma força que nem conhecíamos antes. E essa transformação mudou muito minha vida. Profissionalmente tive coragem de iniciar projetos que antes viviam em papéis, emocionalmente comecei a acreditar mais no meu sexto sentido como mulher e mãe.

O que mais te surpreendeu na maternidade até hoje e qual o impacto que ela trouxe para a sua vida?

– No começo me vi perdida porque fui a primeira das minhas amigas a me tornar mãe. Tive que ir atrás de informações e tirar minhas próprias conclusões de tudo que eu conhecia. Depois que percebi que eu era a mãe e meu marido era o pai, nenhuma opinião alheia ou pitaco me machucavam.

Hoje em dia escuto com carinho e ainda aprendo muito com os outros, mas tenho comigo que os filhos são meus e no final a decisão é sempre minha, porque eu sempre dou os meus 1000% para acertar e se eu errar tudo bem, porque foi seguindo meu coração.

Muitos casais demoram a se adaptar após a chegada dos filhos, o que é super normal. Como foi a experiência de vocês? O que vocês tentam fazer para cultivar o relacionamento a dois?

– Cuidar do meu marido sempre foi importante para mim. Carrego desde já a certeza de que Enzo e Nina irão crescer, sair de casa e vão formar suas famílias, e adivinha? É meu marido quem ficará de amigo e meu companheiro. Se eu não cultivar nosso relacionamento acabarei em casa com um estranho.

Logo no começo do pós parto sentia falta de ter mais tempo a dois, como ir ao cinema e sair para jantar. Claro que a coragem de fazer eu não tinha!

Como amamentei os dois, eu esperava eles crescerem e ficarem pelo menos mais de 4 horas sem mamar e mesmo com medo eu começava a fazer testes. Foi preciso um esforço para eu ter coragem de sair e deixar por poucas horas qualquer um dos dois.

Um dia eu ia ao shopping, outro dia no cinema pertinho e deixava com a vovó a noite, um dia saíamos para jantar e deixávamos dormindo. Assim fomos resgatando nossas características de marido e mulher.

E confesso que meu coração de mãe sofria também, mas com o tempo recuperei meu eu, a Cacau que precisava também existir para ser uma boa mãe. Acredito que nos reinventamos depois da maternidade e precisamos ir aos poucos nos reconhecendo no meio das mudanças, até conseguirmos sair sem nossos filhos, nos divertirmos e não nos sentirmos culpadas por isso.

Agora que Enzo e Nina tem 6 anos e 4 anos marcamos fins de semana que apenas vamos ao cinema e dormimos até tarde. Ou viagens aqui pertinho, ou programas de adulto e sempre deixamos com as avós. É sempre uma alegria para eles, para as vovós e para nós também! Todo mundo sai ganhando!

Você mudou de carreira depois que o Enzo nasceu, certo? Como foi esta mudança?

– O Enzo me fez mãe e com tudo que vivi fui me reinventando. Algumas prioridades que eu tinha deixaram de ser prioridades. Depois que a Nina nasceu tudo mudou mais ainda, eu amava meu trabalho, mas sabia que o trabalho de ser mãe é hoje e agora!

Eu poderia retomar qualquer desejo profissional que eu tivesse para sempre, mas criar bem os dois e estar com ambos nessas primeiras fases da vida nunca mais eu poderia resgatar. O dia de hoje já não volta mais!

Isso foi me deixando angustiada e assim aos poucos fui me preparando para trabalhar menos para os outros e mais para os meus filhos e família. Fiquei um tempo sendo apenas mãe, e aos poucos fui ajudando outras mães, vizinhas, parentes e amigas até notar que eu havia criado uma profissão nova.E que nessa profissão eu que organizava meus horários e poderia ainda assim ser mãe.

Depois de um tempo descobri que o que eu fazia já era uma profissão no Canadá, Europa e Estados Unidos e fui atrás de uma especialização na área do sono infantil através de uma associação americana.

Quando mergulhei no mundo da maternidade, muitas coisas foram acontecendo e surgindo em meu caminho, eu sempre fui apaixonada por parto, pelo momento do nascimento e um dia uma mãe que me conhecia queria muito que eu acompanhasse o parto dela, e assim me descobri Doula.

E como você lida com o trabalho hoje? Qual o papel do trabalho na sua vida?

– Meu trabalho hoje tem o papel de adicionar. Penso sempre que preciso adicionar para mim como mulher, adicionar para as mães e famílias que tenho o privilégio de atender, adicionar para a sociedade que hoje conhece uma profissão nova e para meus filhos e família que tem em casa uma mulher que pensa no futuro deles, que é feliz de estar em casa durante as tardes para ficar com eles, que ajuda a pagar uma viagem nas férias em família e contribui de uma certa forma com o amanhã deles. Sempre que sinto que algo não está acrescentando, paro e reflito se a situação é um desafio, ou se é algo que não vale a pena tirar meu tempo com minha família. Desafios virão e precisamos enfrentá-los para alcançarmos algo maior, mas vou no meu tempo, sem medo de estar caminhando mais devagar, sei que vivo essa fase hoje e assim que eles forem crescendo as coisas vão ficando mais rápidas.

Você se sente realizada hoje com as escolhas que fez? Faria alguma coisa diferente?

– Sou muito feliz por ter decidido anos atrás investir em algo que eu sentia que seria capaz, sou feliz por ter decidido passar mais tempo com meus filhos e ser presente no dia a dia deles.

Claro que temos dias ruins por aqui! Tem dias que levar Nina ao ballet em meio à mil acontecimentos me enlouquece, mas sei que tudo passa no primeiro “eu te amo mamãe” que ela solta.

Eu não faria nada diferente, acho que talvez teria tomado essa decisão antes, mas acredito que tudo foi feito no tempo certo também!

Que conselho você tem para as mães que estão iniciando a vida materna agora ou para que as que estão buscando caminhos para conciliar trabalho, casamento e filhos?

– Para todas elas meu conselho é que sejam felizes, não permitam que opiniões externas ou da sociedade te definam. Escolha seu caminho com sua família e siga. Se você é feliz trabalhando fora, seja feliz, se você é feliz em casa com os filhos, assuma isso para sua vida também. Se sua vontade é ficar em casa e sua situação financeira não permite vá aos poucos se redescobrindo, procure algo que saiba que é boa e não tenha medo de investir e ir conquistando seu espaço na área. E nem se culpe pelo pouco tempo presente na vida de seu filho, faça dessas horas com os pequenos, as mais ricas horas de troca mesmo que poucas.

Carregue a leveza contigo, ela deve andar com você em todas as áreas. É tão bom ser mãe que não vale a pena deixar os anos passarem, preocupados com o futuro. Podemos sempre fazer algo pelo hoje apenas. O ontem já passou e o amanhã é Deus quem decide.

13627175_1223916370952728_9094734203733362533_n(1)


Para conhecer mais sobre o trabalho da Cacau clique nos links abaixo:

http://www.mom2be.com.br 

https://www.instagram.com/cacauprado/ 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *